Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Dia do Sexo

O mais importante nesse dia é lembrar que, se responsável, a prática do sexo resulta em diversos benefícios para a saúde

05/09/2019 às 04:23
Dia do Sexo

Em 1935, falar sobre sexo era algo proibido para a maioria das pessoas e dos lugares, ainda que na intimidade do lar se os filhos estivessem por perto. Um grupo chamado Círculo Brasileiro de Educação Sexual entendia que incentivar o debate sobre a prática sexual era urgente e que uma data precisava lembrar todo mundo. 

Qual dia? Alguém logo sugeriu o 6 de setembro, ou 6 do 9, brincadeira numérica de duplo sentido que remete a uma posição sexual popularmente conhecida como 69. Como sempre acontece, o comércio tratou de popularizar, com uma campanha de marketing de grande marca de preservativos. 

Juntando as duas coisas, mais recentemente, e considerando o aumento das doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis, além do surgimento de outras, como AIDS, a data transformou-se então em oportunidade para destacar a importância do uso do preservativo e, paralelamente, quebrar tabus sobre o tema.

O mais importante nesse dia é lembrar que, se responsável, a prática do sexo resulta em diversos benefícios para a saúde, como aumento da imunidade, alívio de insônia e enxaquecas, fortalece os ossos, diminui as dores do corpo, reduz o risco de câncer na próstata e melhora a saúde cardíaca. 

Hoje, como o destino do mundo e, especialmente, do Brasil, é o envelhecimento, a mais instigante discussão é sobre como prolongar a prática junto com a vida. Congresso Brasileiro de Urologia recentemente realizado em Curitiba deixou claro que a farra entre lençóis aos 60 e poucos anos já é quase um namoro de adolescentes. Agora discutem é como será mais adiante... Conforme blog de Lucia Helena - que lá esteve a convite de um fabricante do popular azulzinho - os conferencistas estão bastante otimistas. 
 
É preciso falar com sobriedade e naturalidade. O tempo, claro, deixa marcas: no caso dos homens, a produção do desejo diminui e as respostas aos estímulos são mais demoradas... Já não é o tocou ligou da juventude; entre as mulheres, os hormônios também cobram seu preço... Assim, o remédio, dizem os entendidos, é se adaptar, buscar novas formas de prazer, incluindo mais toque e menos ereção. Aproveite o dia do sexo, o dia do beijo – 13 de abril – o dia do orgasmo – 31 de julho – o dia do amor – 12 de junho – enfim, todos os dias do ano ou, sempre que possível... Só não vale viver sem tesão.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Campeonato Mineiro Coimbra x América

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽Boliviano irá desembarcar em Belo Horizonte nesta terça-feira, às 11h30

    Acessar Link