Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Choro e ranger de dentes

Quatro anos depois que um mundo de lama matou, devastou e envergonhou, as discussões continuam parecidas com a vida de cidadãos sem rumo: aqueles que labutam no almoço para conseguir o jantar.

04/11/2019 às 12:09

 Antonio Cruz/ Agência Brasil

Quatro anos depois, o rompimento de uma barragem reafirma a nossa tragédia maior: a incapacidade de aprender com o passado para viver o presente sem sobressaltos e preparar um futuro de esperança. Incrível, mas Mariana continua como 300 anos atrás: a fartura da matéria-prima não resulta em vida digna para seus habitantes e a dependência de quem explora a riqueza natural revela absoluta falta de compromisso dos líderes políticos e econômicos com a sustentabilidade do município.

Vejam o noticiário: países ricos em petróleo, como os emirados árabes, a Arábia Saudita, estão investindo centenas de bilhões de dólares para atrair indústrias – desde as que retiram o sal da água do mar até as que atuam na inteligência artificial – e caprichando no acolhimento aos turistas para que, quando o petróleo acabar, as pessoas tenham alternativa de vida. 

Quatro anos depois que um mundo de lama matou, devastou e envergonhou, as discussões continuam parecidas com a vida de cidadãos sem rumo: aqueles que labutam no almoço para conseguir o jantar. Como todos os mineiros, lamento saber que, logo após o acidente, o governador da época foi discutir o assunto na sede da empresa responsável pelo desastre; lamento que famílias de classe média tenham maltratado, com atos ou omissões, as crianças desabrigadas em escolas da área central do município; sofro com a falta de punição cível e criminal para os responsáveis por mortes e destruição...

No entanto, o inaceitável é saber que não aprendemos. Que não estamos exigindo mudança de paradigma, isto é, dotar a região de meios para buscar uma nova economia. Só se ouve que a Vale tem de indenizar, que a vale tem de pagar, a Vale já comprou carro de polÍcia, ambulância, almoço, jantar...

A conversa tinha de ser em outro nível: fosse eu autoridade do município, exigiria das empresas, da Federação das Indústrias, dos governos estadual e federal investimentos em outras frentes para desmamar Mariana da mineração. Por que não abrir estradas, hotéis, criar opções turísticas para uma região histórica e maravilhosa? Por que não unir o sofrimento de Mariana e Brumadinho com a beleza do Inhotim, quem sabe através de um trem turístico que sairia de Belo Horizonte? Mas se não temos centro de eventos na capital e o Minascentro do Estado está fechado, como atrair médicos, engenheiros, profissionais de todas as áreas para congressos em nosso Estado, permitindo a eles e seus familiares desfrutarem a beleza, a religiosidade e a história de Minas?

Parece uma maldição: estamos condenados ao subdesenvolvimento. No lugar de vontade política, discursos vazios; em vez de projetos duradouros, malabarismo caça votos e no lugar de sustentabilidade o padrão alcoólatra de tomar uma para rebater e não curar a ressaca.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link